#pergumentar

ipergunta

Por que questionar?

 

Voltando a Sócrates, ou mais precisamente à maiêutica socrática, “as perguntas nos abrem os horizontes da luz, ou do parto para parir o verdadeiro conhecimento”. Pelos relatos de Platão o método pressupõe que “todo ser humano guarda as suas verdades e crenças na vastidão do seu íntimo, podendo ser reveladas por meio de perguntas aparentemente simples, mas que podem desnudar as mais profundas e ocultas convicções”. A desconstrução e a reconstrução decorrentes das reflexões induzidas pela metodologia promovem noções complexas, questionando e estimulando o conhecimento de si mesmo.

Na mesma onda navegam os algoritmos digitais que, à semelhança da maiêutica, utilizam imagens, provocações e estímulos comportamentais que suscitam atitudes que respondem ou revelam as verdades ocultas. Como disse Yuval Harari “os algorítmicos existentes nas diversas redes sociais já são capazes de saber a sua preferência sexual antes mesmo da sua própria descoberta ou assunção”. O Google, por exemplo, vem trabalhando nisso há anos desde que revelou o seu livro ZMOT – Zero Moment of Truth, ou Momento Zero da Verdade. Não é mais surpresa que os algoritmos existentes HOJE, são capazes de conhecê-lo melhor que você mesmo.

Por isso é importante questionar. SEMPRE. A quem interessa conhecer as verdades e crenças ocultas das pessoas?

As perguntas iluminam o caminho do conhecimento, do autoconhecimento, da superação das crenças e da sabedoria libertadora.

Abaixo seguem algumas propostas de reflexões que podem estimular outros questionamentos importantes para a melhor compreensão da nossa existência:

O infinito é real?

É possível calcular o tamanho do universo?

Deus, Deuses ou criadores?

Qual a diferença entre crer e saber?

Existe democracia sem voto nulo válido?

O sistema eleitoral estadunidense é melhor que o brasileiro?

Você sabe quem está lhe hackeando?

Qual é a sua continentalidade?

Por que você usa açúcar?

A quem interessa o seu hackeamento?

A sua religião é melhor que a do outro?

Ser melhor é uma questão de querença?